problema.

O problema em te ter é ficar monotemático. Monoteísta, monogâmico, monofísico, monofásico.

O problema em te ter é ficar repetitivo. Repetido, repensado, rebuscado, reapaixonado, pra lá de reflexivo.

O problema em te ter é ficar predefinido. Prepotente, premeditado, preconcebido, muito mais apaixonado que o previsto.

O problema em te ter é prefixo. É cheiro, é alma, psíquico e físico. É começar do jeito que for, mas sempre ter o amor de sufixo.

Marielle

Marielle
Que é Maria e Giselle
É também o retrato
Bem acabado
De tantas outras mulheres

Marielle
Julgada pela voz e a pele
Foi calada
Em revolta armada
Por quem a repele

Marielle
Que não só está
Mas também é um presente
Só se faz ausente
Porque a impelem

Marielle
Que tem tantos nomes
Agora é pronome
Pessoal e demonstrativo
Para que o verbo reverbere

Marielle
Alvo de disparos
Mostrou que o buraco
(seja um, sejam quatro)
É bem mais embaixo
Que uma só intempérie.

#MariellePresente

papel.

Na folha de papel
Do nanquim ao pastel
Quem faz as linhas não sabe
– embora pareça inverdade –
Até onde vai o pincel

Se é bicho ou paisagem
Se é flor ou folhagem
Montanha ou planagem
Estrada ou céu

As linhas se formam
Distanciam e se tocam
Voltam e revoltam
Do amargo pro mel

Porque na folha em branco
Ninguém é diabo nem santo
Somos todos deuses tiranos
– mandando e desmandando –
Como faz, satisfeito, mais um coronel.

in-fância

Quando garoto
Eu sonhava em jogar bola
Tocar um cavaco
Fugir da escola

Transformava o jogo de botão em clássico nacional
Os bonecos em colegas de guerra
A sala era a minha Terra
A volta de bicicleta era o tour mundial

Quando garoto
Minhas férias duravam um ano
Eu sempre tinha uma estratégia
E coloca em prática um plano

Quarteirão era expedição
O ônibus era um desafio
Outono já era um tremendo frio
E prova dava palpitação

Mas, quando adulto,
Esqueci-me de tudo
Fiz da mesa reduto
Fiz do peito porão

Por que a gente faz isso?
Por que desaprova os mitos?
Se pra encontrar o sentido
Precisa menos comprimido e mais imaginação.